Disciplinas Ementas


METODOLOGIA DA PESQUISA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Sim
Código: MPQS14-01
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos das formas de produção do conhecimento e ensino; das bases epistemológicas do conhecimento científico, dos métodos, das técnicas, dos tipos de pesquisa e das bases lógicas da investigação; da elaboração de projeto e da organização de trabalhos científicos.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALVES-MAZZOTTI, Alda, J. GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências Naturais e Sociais. São Paulo: Pioneira, 1998.

BORBA, Marcelo de Carvalho. A pesquisa qualitativa em educação matemática. Anais da 27a reunião anual da Anped, Caxambu, MG, 21-24 Nov. 2004.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Trad. Maria João Avarez, Sara Bahia dos Santos, Telmo M. Baptista. Portugal: Porto Editora, 2006.

DEMO, Pedro. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.
_____ . Saber pensar. São Paulo: Cortez, 2000.

FAZENDA, I. Metodologia da Pesquisa Educacional, São Paulo: Cortez, 2008.

GAMBOA, S.S. Pesquisa em educação: métodos e epistemologia. Chapecó: Argos, 2007.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

SANTOS, B. S. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

_______. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 2002.
SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 20. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 1997.

HABERNAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. Trad. Betriz Viana Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 2007.

LEFREVE, F.; LEFREVE, Ana M. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

PÁDUA, Elisabeth Matallo Marchesini de. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática 13. Ed. São Paulo: Papirus, 2004.

WEBER, M. A ciência como vocação. Lisboa. S.d. Disponível em: www.lusofonia.net


EPISTEMOLOGIA DO ENSINO: IMPLICAÇÕES PARA EDUCAÇÃO BÁSICA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Sim
Código: EEIE14-02
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos das principais vertentes da epistemologia do ensino; das concepções fenomenológicas, antropológicas, construtivistas, crítico-sociais, histórico-críticas e pós-modernas; da problematização de paradigmas do ensino e implicações para Educação Básica.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

FRANCO, Maria Amélia do Rosário Santoro Franco. Pedagogia e prática docente. São Paulo: Cortez, 2012. (Coleção Docência em Formação. Saberes Pedagógicos).

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 47. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

JAPIASSU, H. Introdução ao pensamento epistemológico. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1977.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 12. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

LIBÂNEO, José C. Didática e epistemologia: para além do embate entre a didática e as didáticas específicas. In: VEIGA, Ilma P. A. e d’ÁVILA, Cristina (Orgs.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. Campinas (SP): Papirus, 2008.

_____ Democratização da escola pública. A pedagogia crítico-social dos conteúdos. 27. ed. São Paulo: Loyola, 2012.

PERRENOUD, P. Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora, 1995.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante. Cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lílian do Valle. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

RODRIGUES, Neidson. Educação: da formação humana à construção do sujeito ético. Educação e Sociedade. Ano XXII, nº 76, out. 2001.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeira aproximações. 10. ed .Campinas-SP: Autores Associados, 2005.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

______ Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Rev. Bras. Educ. [online]. 2000, n.13, p. 05-24.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

SANTOS, B. S. Introdução a uma ciência pós-moderna. 6. ed. Porto: Edições Afrontamento, 2002.

______ Um discurso sobre as ciências. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

TEROSSI, Marcos José; SANTANA, Luiz Carlos. Educação Ambiental no Brasil: fontes epistemológicas e tendências pedagógicas. Rev. eletrônica Mestrado em Educação Ambiental. v. 24, janeiro a julho de 2010.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

______ A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1983


SEMINÁRIO DE PESQUISA I

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Sim
Código: SPQI14-03
Carga Horária:15
Página 9/135 - 18/05/2013 14:39:47
Creditos:1

Ementa:
Estudos, orientações e avaliações do texto da dissertação em andamento.

Bibliografia:
Será selecionada em conformidade com as pesquisas em desenvolvimento.


SEMINÁRIO DE PESQUISA II

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Sim
Código: SPII14-04
Carga Horária:15
Creditos:1

Ementa:
Estudos, orientações e avaliações do texto da dissertação em andamento.

Bibliografia:
Será selecionada em conformidade com as pesquisas em desenvolvimento.


HISTÓRIA E FILOSOFIA DO ENSINO DE CIÊNCIAS

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: HFEC14-05
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos sobre produção do conhecimento, do acúmulo, aquisição e transmissão; da visão histórica e caracterização das principais correntes do pensamento filosófico às implicações para o ensino de ciências.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ANGOTTI, Jose Andre. [et al]. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2009.

BELTRAN, Maria Helena Roxo. História da ciência e ensino. São Paulo: Livraria da Física, 2009.

BELTRAN, Maria Helena Roxo; SAITO, Fumikazu; TRINDADE, Lais dos Santos Pinto. História da ciência para formação de professores. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2014.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Thomson Pioneira, 2003.

DOSSE, François. O império do sentido: a humanização das ciências humanas. Tradução Ilka Stern Cohen. Bauru, SP: EDUSC, 2003.

ECO, Humberto. O Nome da Rosa. Rio de Janeiro: Record, 1986. p. 36-39.

GERMANO, Marcelo Gomes. Uma nova ciência para um novo senso comum. Campina Grande-PB: EDUEPB, 2011.

GRIBBIN, John. História da ciência. Lisboa: Europa-America, 2005.

JAPIASSU, Hilton. A revolução científica moderna. Rio de Janeiro: Imago, 1985.

______. A crise das ciências humanas. São Paulo: Cortez, 2012.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Tradução de Ivone C. Benedetti. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2011. 422 p.

NUÑEZ, Isauro Beltrán; RAMALHO, Betânia Leite. A pesquisa como recurso da formação e da construção de uma nova identidade docente: notas para uma discussão inicial. ECCOS – Revista Científica, São Paulo, UNINOVE, v. 7, n. 1, p. 87-111, jun. 2005. 228 p. ISSN 15171949.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALVES, Rubens. Filosofia da ciência. São Paulo: Ars Poetica, 1996.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2010.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. Cultrix: São Paulo, 2008.

SAITO, Fumikazu. História da ciência. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

SMARI, J. J. C. Entre ciência y filosofia. Madrid: Tecnos, 1975.

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini. Ensino de ciências: pesquisas e reflexões. São Paulo: Holos, 2006.


NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS AO ENSINO

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: NTAE14-06
Carga Horária:30
Creditos:2

Ementa:
A sociedade contemporânea, a educação e o uso das tecnologias. Estudos e práticas de ensino e aprendizagem por meio das novas
tecnologias aplicadas ao ensino. A mediação pedagógica e o uso do computador como ferramenta para análise de problemas e instrumento de ensino, estimulando o desenvolvimento do raciocínio abstrato e prático para o entendimento dos conceitos, conteúdos e metodologias.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. 2. ed. Campinas-SP: Autores Associados, 2001.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus, 2003. Série Prática Pedagógica.

________. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas- SP: Papirus, 2007. Coleção Papirus Educação.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

_________. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1993.

MORAN, José Manuel. Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Campinas, SP: Papirus, 2007. Coleção Papirus Educação.

________.Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas-SP: Papirus, 2000. Coleção Papirus Educação.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

CAETANO, Luis Miguel Dias. Tecnologia e Educação: quais os desafios? Educação, Santa Maria-RS, v. 40, n. 2, p. 295-310. maio/ago. 2015.

COUTO, Maria Elizabete Souza; COELHO, Livia. Políticas públicas para inserção das TIC nas escolas: algumas reflexões sobre as práticas. Revista Digital da CVA - Ricesu, Volume 8, Número 30, Dezembro de 2013. pp. 1-11.


PRODUÇÃO E AVALIAÇÃO DE MATERIAIS DE ENSINO

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: PAME14-07
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos dos princípios gerais para a produção, avaliação e análise de materiais didático-pedagógicos para a sala de aula; da preparação de jogos, mapas conceituais, unidades didáticas e planos de aula; dos materiais didáticos para diferentes mídias, ambientes virtuais e colaborativos de ensino e aprendizagem.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ANTUNES, Celso. Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências. 10 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BENJAMIM, Walter. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Tradução Marcus Vinícius Mazzari. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2009.

FERREIRA, Maria Salonilde; FROTA, Paulo Rômulo de Oliveira. (Org.). Mapas e redes conceituais: reestruturando concepções de ensinar e aprender. Teresina: EDUFPI, 2008.

FREITAS, Olga. Equipamentos e materiais didáticos. Brasília: Universidade de Brasília, 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=614-equipamentos-e-materiais-didaticos&Itemid=30192>. Acesso em: 20 jan. 2016.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia da Letras, 2006.

KISHIMOTO, Tizuco Morchida (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 14. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

RUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou Da Educação. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

SANTOS. Santa Marli Pires dos. A ludicidade como ciência. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

_______. O lúdico na formação do educador. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

VALDEMARIN, Vera Teresa. História dos métodos e materiais de ensino: a escola nova e seus modos de uso. São Paulo: Cortez, 2010.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. 7. ed., 2. tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BERTOLDO, Janice Vidal. et al. Ludotecas: uma proposta criativa e emancipatória na educação, Vidya, v. 26, n. 1, p. 43-54, jan/jun. 2006, Santa Maria, 2008. Disponível em: < http://www.periodicos.unifra.br/index.php/VIDYA/article/view/366 >. Acesso em: 20 jan. 2016.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Documentos não escritos na sala de aula. In: ______. Ensino de história: fundamentos e métodos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

FERREIRA, Maria Salonilde. Trilhas antes percorridas: análise de metodologias da formação de conceitos científicos. In: ______. Buscando caminhos: uma metodologia para o ensino-aprendizagem de conceitos. Brasília: Liberlivro, 2009.

FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. 5. ed. São Paulo: Scipione, 2009.

FISCARELLI, Rosilene Batista de Oliveira. Material didático e prática docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. Araraquara, v. 2 n. 1, p. 1-9, 2007. Disponível em: < http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/454/333>. Acesso em: 20 jan. 2016.

GAERTNER, Rosinéte; STOPASSOLI, Márcia Aurélia; OECHSLER, Vanessa. Materiais didáticos nas aulas de matemática no ensino médio: uma proposta viável. Disponível em: <http:// www.sbembrasil.org.br/files/ix.../Minicurso/.>. Acesso em: 30 dez. 2015.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Tradução Eric Nepomuceno. 9. ed. Porto Alegre: L&PM, 2002.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Pedagogia da animação. 10. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

OLIVEIRA, MARCELO SOUZA. Jogo da história: aprendizagens significativas e jogos eletrônicos numa escola municipal do interior da Bahia. In: XXVIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA: Lugares dos historiadores: velhos e novos desafios, 2015, Florianópolis. Anais... Florianópolis, 2015. Disponível em: <http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais>. Acesso em: 30 dez. 2015.

WEISS, Luise. Brinquedos e engenhocas: atividades lúdicas com sucata. 2. ed. São Paulo: Scipione, 1993


TÓPICOS AVANÇADOS EM ENSINO

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: TAEN14-08
Carga Horária:30
Creditos:2

Ementa:
Conteúdos específicos de cunho teórico e/ou prático, vinculados às linhas de pesquisas.

Bibliografia:
A bibliografia será selecionada em conformidade com os conteúdos estudados.


ESTUDOS ORIENTADOS I

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: EORI14-09
Carga Horária:15
Creditos:1

Ementa:
Estudo, discussão e orientação de temas relativos à dissertação dos alunos.

Bibliografia:
Será selecionada em conformidade com as pesquisas em desenvolvimento.


ESTUDOS ORIENTADOS II

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: EOII14-10
Carga Horária:15
Creditos:1

Ementa:
Estudo, discussão e orientação de temas relativos à dissertação dos alunos que se encontram no segundo ano do curso.

Bibliografia:
Será selecionada em conformidade com as pesquisas em desenvolvimento.


FUNDAMENTOS DO ENSINO DE FÍSICA CLÁSSICA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: FEFC14-11
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos de ensino e aprendizagem de mecânica; da teoria, experiências, demonstrações, uso do computador, abordagem histórica e prática docente supervisionada; das Leis de Newton, Leis de Conservação de Quantidade de movimento linear e angular, lei de conservação de energia, conceitos de temperatura, calor, trabalho, teoria cinética, entropia.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

FEYNMAN, Richard; LEIGHTON, Robert; SANDS, Matthew. Lições de física de Feynman. Vols. 1 e 2. Edição definitiva. São Paulo: Bookman, 2008.

HALLIDAY, David; RESNICK, Robert; WALKER, Jearl. Fundamentos de Física. Vols. 1, 2 e 3. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2012.

MACHADO, Daum. Teoria do eletromagnetismo. Vols. 1, 2 e 3. Edição eletrônica. Ponta Grossa-PR: Editora da UEPG, 2000.

NUSSENZVEIG, Moyses. Curso de física básica. Vols. 1, 2 e 3. 4. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2002.

POZO, Juan Ignácio. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Editora Artmed, 2009.

REITZ, John, MILFORD, Frederick e CHRITY, Robert. Fundamentos da teoria eletromagnética. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1982.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMEMTAR

SYMON, Keith. Mecânica. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1982.

SALINAS, Silvio. Introdução à Física Estatística, 2. ed. São Paulo: Editora Edusp, 1997.

TIPLER, Paul. Física para cientistas e engenheiros. Vols. 1 e 2. 6. ed. Rio de Janeiro: Ed. LTC, (2009).

YOUNG, Hugh e FREEDMAN, Roger. Física 1, 2 e 3. 12. ed. São Paulo: Editora Pearson, 2009.


FUNDAMENTOS DO ENSINO DE FÍSICA MODERNA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: FEFM14-12
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos do ensino e aprendizagem do eletromagnetismo; da teoria, experiências, demonstrações, uso do computador, abordagens históricas e prática docente supervisionada; do conceito de campo elétrico e magnético, corrente elétrica, interação carga campo, lei de Gauss, lei de Ampere, lei de Faraday, lei de Lenz; unificação de Maxwell; das propriedades magnéticas da matéria; das ondas eletromagnéticas e suas propriedades; das eletromagnetismo e seus vínculos com a Física Moderna; das leis da Óptica geométrica; da Óptica Física: interferência, difração e polarização.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

COHEN, Tanoudji, DIU Bernard e LALOE, Frank. Quantum mechanics. New York: Editora John Wiley, 1991.

EISBERG, Robert e RESNICK, Robert. Física quântica. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1994.

FEYNMAN, Richard; LEIGHTON, Robert; SANDS, Matthew. Lições de física de Feynman, Vol. 3, Edição definitiva. São Paulo: Editora Bookman, 2008.

GRIFFITHS, David. Introduction to quantum mechanics. 2nd Edition New York: Editora John Wiley, 1985.

HALLIDAY, David; RESNICK, Robert; WALKER, Jearl. Vol. 4. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2012.

YOUNG, Hugh e FREEDMAN, Roger. Física 4. 12. ed. São Paulo: Editora Pearson, 2009.

NUSSENZVEIG, Moyses. Curso de física básica, Vol. 4. 4. ed. São Paulo: Editora Edgard Blucher, 2002.

POZO, Juan Ignácio. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Editora Artmed, 2009.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

PIZA, Toledo. Mecânica quântica. 2. ed. São Paulo: Editora Edusp, 2004.

TIPLER, Paul. Física para cientistas e engenheiros. Vol. 3. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009.


ATIVIDADES EXPERIMENTAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: AECE14-13
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos e práticas de ensino e aprendizagem de conceitos físicos e químicos mediante atividades experimentais; da produção de instrumentos de baixo custo como materiais didáticos de ensino de ciências.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ABREU, M.C; MATIAS, L; PERALTA,L.F. Física Experimental: uma introdução. Editorial Presença, 1994. Metals Handbook. Forming. Volume 1. ASM. Metals Park. Ohio, 1969.

CHATEAU, J. O jogo e a criança. Trad. de Guido de Almeida. São Paulo: Sammus, 1987.

DULLIUS, Maria Madalena; QUARTIERI Marli Teresinha (Org.). Atividades experimentais para o ensino de Ciências Exatas. Lajeado: Ed. da Univates, 2015.

GEWANDSZNAJDER, F. O método nas Ciências Naturais e Sociais: Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. São Paulo: Editora Pioneira, 1998.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. (GREF). Mecânica. São Paulo: Editora Edusp: 2012.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. (GREF). Física Térmica. São Paulo: Editora Edusp, 2012.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. (GREF). Óptica. São Paulo: Editora Edusp, 2012.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. (GREF). Eletromagnetismo. São Paulo: Editora Edusp, 2012.

GIORDAN, M. O. Papel da Experimentação no Ensino de Ciências. Química Nova na Escola, São Paulo, SP, n. 10, p. 43-49, novembro, 1999.

GUIMARÃES, L. A. Um motor de corrente contínua. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 10(2), p.185 – 187, 1993.

NADIR, R. (ORG.). Educação em ciências: da pesquisa à prática docente. São Paulo: Escrituras Editora, 2001.

BIBLIOGRAGIA COMPLEMENTAR

BORGES, R. M. R.; SCHWARZ, V. O. O Papel dos jogos educativos no processo de qualificação de professores de ciências. In: IV ENCONTRO IBERO-AMERICANO COLETIVOS ESCOLARES E REDES DE PROFESSORES QUE FAZEM INVESTIGAÇÃO NA ESCOLA, 4. Lajeado. ed. UNIVATES, 2005.

CUNHA, H.S. Brinquedo, desafio e descoberta. 1ª edição. FAE/MEC/RJ, 1998.

DANNA, M. F.; MATOS, M. A. Aprendendo a observar. São Paulo: Edicon, 2006.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.


FUNDAMENTOS DO ENSINO DE QUÍMICA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: FEQU14-14
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Estudos de ensino e aprendizagem das diferentes áreas de química. Noções de termodinâmica e cinética química. Estudo das propriedades e reatividade dos diferentes compostos orgânicos e inorgânicos. Noções de análise química qualitativa e quantitativa.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALMEIDA, M. R.; PINTO, A. C. Uma Breve História da Química Brasileira. Ciência e cultura, São Paulo, v. 63, n 1, p. 41-44, Jan. 2011.

ATKINS, P. W. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. 3. ed, Bookman, 2006.

BROWN, T. L. Química: a ciência central. 9. Ed. Pearson, São Paulo, 2005.

FERREIRA, L. H.; HARTWIG, D. R.; OLIVEIRA, R.C. Ensino experimental de química: uma abordagem investigativa contextualizada. Química Nova na Escola. v. 32, nº 2, p.101-106, Maio, 2010.

KOTZ, John. C. Química reações químicas vol.1 e vol.2. Thomsom, São Paulo, 2005.

MAIA, D. J. Química geral: fundamentos. Pearson, São Paulo, 2007.

MOREIRA, M.A. A aprendizagem significativa crítica. Porto Alegre: Instituto de Física, UFRGS, 2010.

RUSSEL, J. B. Química geral. Makron Books. 2. ed, São Paulo, 1994.

SCHNETZLER, R. P. A pesquisa no ensino de química e a importância da química nova na escola. Química Nova na Escola, N. 20, p. 49-53, 2004.

TREVISAN, T. S.; MARTINS; P.L.O. A prática pedagógica do professor de química: possibilidades e limites. UNIrevista, v. 1, n.2. 2006.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

MOREIRA, M.A. Pesquisa básica em educação em ciências: uma visão pessoal. Revista Chilena em Educación Científica, V. 3, n.1. 2004.

SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. Importância, sentido e contribuições de pesquisas para o ensino de química. Química Nova na Escola, n.1. P. 27-31, 1995.


FUNDAMENTOS DO ENSINO DE QUÍMICA AMBIENTAL

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: FEQA14-15
Carga Horária:60
Creditos:4

Ementa:
Definições de hidrosfera, litosfera, atmosfera, geosfera e biosfera. Ciclos biogeoquímicos. Estudo da atmosfera: camada de ozônio, efeito estufa e poluição atmosférica. Energia e meio ambiente. Estudo de poluentes, como: metais pesados, organoclorados. Química de águas naturais. Tratamento de água potável. Tratamento de efluentes. Composição química do solo. Tratamento de resíduos sólidos. Estratégia de pesquisa em produtos naturais: ensaios químicos preliminares, métodos de extração, fracionamento e isolamento de compostos de interesse. Síntese de protótipos de produtos naturais, por metodologia convencional e química limpa: ultra-som, microondas e utilização de enzimas como biocatalisadores naturais.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BAIRD, C. Química ambiental, 2a ed, Porto Alegre: Bookmam, 2002.

BRAGA, B. et al. Introdução a engenharia Ambiental. 2. ed, São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

HINRICHS, A. R.; KLEINBACH, M.; REIS, L.B. Energia e meio ambiente. 4 ed. Editora Cengage Learning, 2010.

TOME. Manual para interpretação de análise do solo, Livraria e Editora Agropecuária

PINTO, A.C. O Brasil dos viajantes e dos exploradores e a química de produtos naturais Brasileira, Quimica Nova, 1995.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

DEWICK, P. M., Medicinal natural products, A Biosynthec Approach, John Wiley & Sons Ltd.,1997.

ANDREJUS, K.; BUTCKHALTER, J.H. Química farmacêuca, Ed. Guanabara Koogan 1976.


A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E O PROCESSO EDUCATIVO

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: PAPE14-16
Carga Horária:45
Creditos:3

Ementa:
Analisa as diversas dimensões que envolvem a problemática ambiental na atualidade com ênfase para a compreensão dos determinantes socioeconômicos e históricos do processo de degradação ambiental. Discute o papel da educação ambiental critica como estratégia de enfrentamento da crise ambiental e possibilidades teórico-metodológicas para abordagem da temática no ambiente escolar.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BATISTA, Maria do Socorro da Silva. Educação ambiental: caminhos traçados, debates políticos e práticas escolares. In: CABRAL NETO, Antônio; MACEDO FILHO, Francisco Dutra de; BATISTA, Maria do Socorro da Silva. Brasília: Liber Livro, 2010.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

GUIMARÃES, Mauro. A dimensão ambiental na educação. 6. ed. Campinas: Papirus, 1995. (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico).

______. (Org.). Caminhos da educação ambiental: da forma a ação. Campinas: Papirus, 2006.

LAYRARGUES, Philipe Pomier; CASTRO, Ronaldo de Souza. (Orgs.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de. (Orgs.). Repensar a educação ambiental: um olhar crítico. São Paulo: Cortez, 2009.

______. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

TRISTÃO, Martha. A educação ambiental na formação de professores: redes de saberes. 2ª ed. São Paulo: Annablume; Vitória: Facitec, 2008.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, 1999.


ENSINO DE CIÊNCIAS SOCIAIS NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: CSEB14-17
Carga Horária:45
Creditos:3

Ementa:
Estudos que tratam da sistematização teórica e prática do processo social e a ação concreta dos homens enquanto campo de ensino das ciências sociais. A prática de ensino como espaço/processo de construção de identidade profissional. Temas básicos das ciências sociais: trabalho e sociedade; diferença e desigualdade; cultura e alteridade; democracia, cidadania e justiça social; Estado, partidos e governo.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BOMENY, Helena M. B; BIRMAN, Patrícia (Org.). As assim chamadas ciências sociais: formação do cientista social no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, 1991

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio: área Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília, DF: CNE, 1999.

COHN, Gabriel. Dos riscos que se corre nas Ciências Sociais. Tempo Social, São Paulo, v.13, n.1, p.39-47, maio 2001.

GADOTTI, Moacir. A Postura do Educador numa Sociedade em Conflito, in: Educador e Poder: introdução à pedagogia do conflito. São Paulo, Editora Cortez, 1991, pp. 74-82.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 8.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

IANNI, Octávio. O ensino das ciências sociais no 1º e 2º graus. Cadernos Cedes, Campinas-SP, vol. 31, n. 85, p. 327-339, set.-dez. 2011.

MARTIN, André Roberto. A politização da geografia como alternativa à “crise dos territórios”. In: PONTUSCHKA, Nídia Nacib; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Geografia em perspectiva: ensino e pesquisa São Paulo: Contexto, 2006, pp. 27-34.

MICELI, Sergio. (Org.). História das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: Sumaré, 2001. v. 1 .

MORAES, Amaury Cesar. O que temos de aprender para ensinar ciências sociais? Cronos. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFRN. Natal: UFRN, v. 8, n. 2, jul./dez. 2007. p. 395- 402. Dossiê Ensino da Sociologia no Brasil. Disponível em: <http://www.cchla.ufrn.br/cronos/atual.html> . Acesso em: 06. maio 2013.

MORAES, Amaury Cesar; GUIMARAES, Elisabeth Fonseca; TOMAZI, Nelson Dacio. Sociologia. In: BRASILIA. MEC. SEB. Depto. de Politicas de Ensino Medio. Orientações curriculares do ensino médio. Brasilia, DF: MEC, 2004. p. 343-372.

PEREIRA, Marcelo Garrido. Los processos de construcción de espacio escolar: una mirada desde la justicia social. In: CALLAI, Helena Copetti (Org.). Educação geográfica: reflexão e prática. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011, pp. 143-165.

SANTOS, Milton. Ser Intelectual na era da Globalização, in: Anais do Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, Vol. 1/I, Águas de Lindóia, São Paulo, 1998.

SANTOS, Milton. Aceleração contemporânea: tempo mundo e espaço mundo. In: SANTOS, Milton (et ali). O novo mapa do mundo: fim de século e globalização. São Paulo: HUCITEC/ANPUR, 1993.

SEGATTO, José; BARIANI, Edison. As ciências sociais no Brasil: trajetória, história e institucionalização. Revista em Pauta, v. 07, n. 25, pp- 201-213. jul. 2010.

SILVA, T. T. (Org.); HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. Pesquisa e educação de professores. In: PONTUSCHKA, Nídia Nacib; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Geografia em perspectiva: ensino e pesquisa São Paulo: Contexto, 2006, pp. 109-114.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

BLACKBURN, R. (Org.) Ideologia na ciência social. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982

BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, J. C.; PASSERON, J. C. Ofício de sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes, 2005.

FERNANDES, Florestan. A sociologia no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980.

MEC. Sociologia: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. 304 p. (Coleção Explorando o Ensino ;v. 15).

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis- RJ: Vozes, 2009.


ENSINO INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: EICH14-18
Carga Horária:45
Creditos:3

Ementa:
Estudos das concepções e articulações entre didática e conhecimentos específicos da área de ciências humanas e sociais; das metodologias de ensino e aprendizagem. Visões sobre interdisciplinaridade nas ciências humanas e sociais e seus desafios educacionais. Discussões interdisciplinares sobre noções fundamentais em ciências humanas e sociais e suas repercussões para educação básica, como natureza e cultura, narrativa, subjetividade e alteridade, memória e temporalidade.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALARCÃO, Isabel. Professores Reflexivos em uma escola reflexiva. 8ª ed. Cortez, São paulo, 2011 (Coleção questões da nossa época; v. 8).

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: _____. Escritos de educação. Petrópolis-RJ: Vozes, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2006. p. 99-133. (Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Parte IV).

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio: área Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília, DF: CNE, 1999.

CASANOVA, Pablo Gonzáles. Interdisciplina e complexidade. In: ¬¬¬____. As novas ciências e as humanidades: da academia à política. Rio de Janeiro: Boitempo, 2006. (pp. 11-50)

DUARTE, Newton. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cadernos CEDES. Centro de Estudos Educação e Sociedade, v. 19, n. 44, p. 85-106, 1998. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/28244>. Acesso em: 05 outubro. 2015.

DIAS, Fernando Correia et.al. Ensino das humanidades: a modernidade em questão. São Paulo: Cortez; Brasilia: SENEB, 1991. (Cadernos SENEB, v, 2).

FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade. Revista Interdisciplinaridade, São Paulo, Volume 1, p.01-83, Out, 2010.

JAPIASSU, Hilton. Renascimento. In: ______. A crise das ciências humanas. São Paulo: Cortez, 2012. (pp. 147-182).

MATTOSO, Jorge. Tecnologia e emprego: uma relação conflituosa. SãoPaulo, Em perspectiva, 14(3) 2000. pp, 115-123.

SILVEIRA, Ronie Alexandro Teles da; GHIRALDELLI JÚNIOR, Paulo (Org.). Humanidades. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

SILVA, Cylon Gonçalves da; MELO, Lúcia Carvalho Pinto de. Ciência, tecnologia e inovação: desafio para a sociedade brasileira. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia / Academia Brasileira de Ciências. 2001.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

CIAVATTA, Maria; FRIGOTTO, Gaudêncio (Org). Ensino médio: ciência, cultura e trabalho. Brasília: MEC: SEMTEC, 2004.

COUTO, Maria Elizabete Souza; COELHO, Livia. Políticas públicas para inserção das TIC nas escolas: algumas reflexões sobre as práticas. Revista Digital da CVA - Ricesu, Volume 8, Número 30, Dezembro de 2013. pp. 1-11.

COMENIUS, J. A. Didática magna. Lisboa: Fundação Calouste Glubenkian, 1987.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Tradução de Sandra Castello Branco. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

JAPIASSU, Hilton. A crise das ciências humanas. São Paulo: Cortez, 2012. (pp. 147-182).

LÉVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. 2. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

LOMBARDI, J. C. (Org.). Globalização, pósmodernidade e educação: história, filosofia e temas transversais. Campinas: Autores Associados; HISTEDBR, 2003.

PENA, Rejane Silva. Contribuições do saber histórico para uma prática interdisciplinar. Cadernos de História, Uberlândia, v. 15, n. 1, p. 125-136, set. 2006/set. 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2008.

SALVADOR, C.C. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento na escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

TAVARES, F.; GUEDES, S. L.; CAROSO, C. Experiências de ensino e prática em Antropologia no Brasil. Brasília: Ícone Gráfica e Editora, 2010.


FILOSOFIA DAS CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: FCHS14-19
Carga Horária:30
Creditos:2

Ementa:

A disciplina visa ao estudo filosófico das origens, dos fundamentos e dos objetivos das ciências humanas e sociais.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

DOMINGUES, I. O grau zero do conhecimento. O problema da fundamentação das ciências humanas. 2 ed. São Paulo: Loyola, 1999.

FOUCAULT, M. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. São Paulo: Martins fontes, 2000.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GOLDMANN, L. Ciências humanas e filosofia. 7 ed. São Paulo: Dilfel, 1979.

OLIVEIRA, P. S. Metodologia das ciências humanas. São Paulo: Unesp, 1998.

RABUSKE, E. Epistemologia das ciências humanas. . Caxias do Sul: Educs, 1987.

VANNUCHI, A. Filosofia e ciências humanas. São Paulo: Francisco Alves, 1977.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

DELIZOICOV, D. Pesquisa em ensino ciências como ciências humanas aplicadas. In: Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 21, ago. 2004, p. 145-175.

SOARES, L. E. Hermenêutica e ciências humanas. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 1, 1998, p. 100-142.


CONCEITOS E CATEGORIAS GEOGRÁFICAS DE ENSINO

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: CCGE14-20
Carga Horária:45
Creditos:3


Ementa:
Espaço e ciências humanas. O espaço geográfico como conceito-chave da Geografia. Os conceitos espaciais e os saberes humanos. As categorias geográficas e a geograficidade humanas. A construção de conceitos geograficos na educacao básica.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

CASTELLAR, S; VILHENA, J. Ensino de Geografia. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

CASTELLAR, S. (Org.). Educação geográfica: teorias e práticas docentes. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2014.

CAVALCANTI, L. S. Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas-SP: Papirus, 1998. DARDEL, E. O espaço geográfico. In: ______. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

GONÇALVES, Amanda Regina. Educação geográfica e cidadania: considerações sobre os limites da cidadania formal. In: Revista Geografia Ensino & Pesquisa, Santa Maria, v.14, n.3, p.38-45, jul./dez., 2010.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

SOUZA, M. L. de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BETTANINI, T. Espaço e ciências humanas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CARNEIRO, R. N. A natureza do espaço numa perspectiva comunicativa ou pública. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 29, n. 1, p. 33-46, jan. / jun. 2009. Disponível em: <http://www.revistas.ufg.br/bgg/article/view/4959/5370>. Acesso em: 24 abr. 2012.

______. Pensando a Geografia e o ensino dos seus conceitos-chave. Pará de Minas: Virtual Books, 2011.

SPÓSITO, E. S. Geografia e Filosofia: contribuições para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: Unesp, 2004.


ENSINO E APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: EALE14-21
Carga Horária:45
Creditos:3

Ementa:
Estudo das práticas de ensino-aprendizagem de leitura e escrita na educação básica, buscando abordar questões específicas relacionadas como desenvolvimento da aprendizagem e dos processos de ensino da leitura e da escrita e com as questões de alfabetização, de letramento e suas implicações para o ensino-aprendizagem de línguas maternas e estrangeiras.

Bibliografia:

BIBLIOFRAFIA BÁSICA

ANTUNES, I. Assumindo a dimensão interacional da linguagem. In: ANTUNES, I. Aula de Português: encontro e interação. Parábola Editorial, 2003, p. 39-106.

BRITO, L. P. L. O ensino da leitura e da escrita numa perspectiva transdisciplinar. In: CORREA, D. A.; SALEH, P. B. de O. Práticas de letramento no ensino: leitura, escrita e discurso. São Paulo: Parábola editorial, 2007, p. 53-77.

GOMES-SANTOS, S.; ALMEIDA, P. S. Escrita e trabalho docente na alfabetização. In: ELIAS, V. M. Ensino de língua portuguesa: oralidade, escrita e leitura. São Paulo: Contexto, 2011, p. 105-117.

JUNG, N. M. Letramento: uma concepção de leitura e escrita como prática social. In: BAGNO, M. [et al.]. Práticas de letramento no ensino: leitura, escrita e discurso. São Paulo: Parábola editorial, Ponta Grossa, PR: UEPG, 2007, p. 79-106.

KLEIMAN, A. B.; CENICEROS, R.C.; TINOCO; G. A. Projetos de letramento no ensino médio: o corpo do texto. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. Múltiplas linguagens para o ensino médio. São Paulo: Parábola editorial, 2013, p. 69-82.

OLIVEIRA, L. A. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens da escola. In:
ROJO, R. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola editorial, 2012, p. 11-31.

ROJO, R.; BARBOSA, J. P Gênero do discurso, multiletramentos e hipermodernidade. In: ROJO, R.; BARBOSA, J. P. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo: Parábola editorial, 2015, p. 115-145.

ROTTAVA, L. Concepções de leitura e de escrita: um contraponto entre professores em formação de português, inglês e espanhol. In: ROTTAVA, L. LIMA, M. S. Linguística aplicada: relacionando teoria e prática no ensino de línguas. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2004, p. 111-138.

SANTOS, L. W.; RICHE, R. C.; TEIXEIRA, C. S. Produção de textos orais e escritos. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012, 97-133.

SILVA, M. Z. V. “Multi”letramentos: foco na prática social e escolar. In: O letramento multimodal crítico no ensino fundamental: investigando a relação entre a abordagem do livro didático de língua inglesa e a prática docente. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual do Ceará, Centro de Humanidades. – Fortaleza, 2016. p. 29-49.

WIELEWICKI, H. G. Reading and the internet: teachers’ and students’ beliefs. In: TOMITCH, L. M. B. et all. (Orgs.). A interculturalidade no ensino de inglês. Florianópolis: UFSC, 2005, p. 579-597

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.

BAZERMAN, C. Gênero, agência e escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (Org.). Português no ensino médio e formação de professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

CAVALCANTE, M. M. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2013.

DELL’ISOLA, R. L. P. Retextualização de gêneros. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

DOLZ, J.; GAGNON, R.; DECÂNDIO, F. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Tradução de Fabrício Decândio e Ana Rachel Machado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.

ELIAS, V. M. Escrita e práticas comunicativas na internet. In: Ensino da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2011, p. 159-165.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

FREITAS, M. T. Descobrindo novas formas de leitura e escrita. In: ROJO, R. (Org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCN. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000, p. 41-66.

JEWITT. C. Multimodality and Literacy in School Classroom. In: Review of Research in Education. Vol. 32. p. 241-267. February, 2008.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção de sentidos. 9 ed. São Paulo: Contexto, 2008.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 3. Ed. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento na etnografia e na educação [tradução de Marcos Bagno]. São Paulo: Parábola, 2014.

THE NEW LONDON GROUP. A Pedagogy of Multiliteracies: Designing Social Futures. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (eds). Multiliteracies – Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000.


LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: LVNV14-22
Carga Horária:45
Creditos:3

Ementa:
Estudo e reflexões sobre linguagem verbal e não verbal, na produção e na interpretação de diferentes códigos linguísticos, com vistas aos processos de interação social. Reflexões sobre LIBRAS e perspectivas inclusivas no ensino de línguas.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BAKTHIN, M. Estudo das ideologias e filosofia da linguagem. In: BAKTHIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. p. 31-39.

BRAIT, B. Uma perspectiva dialógica de teoria, método e análise. Revista Gragoatá. Niterói, v. 01 n. 20, p. 47-62, 2006. Acesso em: Março de 2014. Disponível em: http://www.uff.br/posletras/portugues/revistas/gragoata20web.pdf#page=47.

CHARAUDEAU, P. Linguagem e discurso: modos de organização. Tradução Angela Correa e Ida Machado. São Paulo: Contexto, 2010.

LYONS, J. Lingua(gem) e linguística: uma introdução. Tradução Marilda Winkler e Clarisse Sieckeins. Rio de Janeiro: Editora LTC. 1981. p. 01-17.

PEIRCE, C.S. Semiótica. Tradução Teixeira Coelho. São Paulo: Perspectiva, 1977.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Tradução Charles Bally e Albert Sechehaye. 27 ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2006. p. 79-84.

BRAIT, B. Olhar e ler: verbo-visualidade em perspectiva dialógica. Revista Bakthiniana: Revista de Estudos do Discurso. São Paulo v. 2, n. 8, 43-66, jul/dez, 2013. Acesso em: março de 2014. Disponível: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/16568.

GUIMARÃES, E. Linguagem verbal e não verbal na malha discursiva. Revista Bakthiniana: Revista de Estudos do Discurso. São Paulo v. 2, n. 8, 124-135, jul/dez, 2013. Acesso em: março de 2014. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/13967.

MOZDZENSKI, L. Intertextualidade verbo-visual: como os textos multissemióticos dialogam? Revista Bakthiniana: Revista de Estudos do Discurso. São Paulo v. 2, n. 8, 177-201, jul/dez, 2013. Acesso em: março de 2014. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/13864.

SILVA, R. D. A perspectiva educacional inclusiva: representação visual e verbal. Revista Prolíngua. Paraíba, v. 6, n. 2, jan/jun, 25-37, 201. Acesso em março de 2014. Disponível: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/prolingua/article/view/13567.

FELIPE, T. A. O discurso verbo-visual na língua brasileira de sinais – Libras. Revista Bakthiniana: Revista de Estudos do Discurso. São Paulo, v. 2, n. 8, 67-89, jul/dez 2013. Acesso em: março de 2014. Disponível: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/14141.

HARRISON, K. M. P; NASCIMENTO, V. Verbo-visualidade no gênero jornalístico televisivo: leituras para a construção de estratégias de interpretação da língua de sinais. Revista Bakthiniana: Revista de Estudos do Discurso. São Paulo, v. 2, n. 8, 202-219, jul/dez 2013. Acesso em: março de 2014. Disponível: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/viewFile/14005/12928.

AMARAL, T. T. B. do; FISCHER, A. Abordagem da imagem em um livro didático voltado para a alfabetização: perspectivas de letramento visual. Revista Bakthiniana: Revista de Estudos do Discurso. São Paulo, v. 2, n. 8, 05-23, jul/dez 2013. Acesso em: março de 2014. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/14016.

BARBOSA, M. V. Aula: um acontecimento construído por múltiplas ações de linguagens. Revista linguagem e ensino. Pelotas, v. 13, n. 02, 375-396, jul/dez, 2010. Acesso em: Março de 2014. Disponível em: http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/view/61.

BUNZEN, C; MENDONÇA, M. Múltiplas linguagens para o ensino médio. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

SILVA, J. C. B; NETTO, R. M. Fotografia: um olhar semiótico sobre uma linguagem não-verbal. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura Letra Magna. Ano 04, n.09, p. 01-10, 2º Semestre de 2008.

BIRCK, V. R; KESKE, H, I. A voz do corpo: a comunicação não-verbal e as relações interpessoais. XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Natal, 2008.

GONÇALVES, J. C. Protocolos teatrais verbo-visuais: produção de sentidos para a prática teatral universitária. Revista Bakthiniana: Revista de Estudos do Discurso. São Paulo, v. 2, n. 8, 106-123, jul/dez 2013. Acesso em: março de 2014. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/14034.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ECO, U. Tratado de semiótica general. Tradición Carlos Mazano. 5ª ed. Barcelona: Editorial Lumen, 2000.

BAKTHIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. p. 31-39.

CHARAUDEAU, P. Linguagem e discurso: modos de organização. Tradução Angela Correa e Ida Machado. São Paulo: Contexto, 2010.

LYONS, J. Lingua(gem) e linguística: uma introdução. Tradução Marilda Winkler e Clarisse Sieckeins. Rio de Janeiro: Editora LTC. 1981. p. 01-17.

PEIRCE, C.S. Semiótica. Tradução Teixeira Coelho. São Paulo: Perspectiva, 1977.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. Tradução Charles Bally e Albert Sechehaye. 27 ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2006. p. 79-84.

PAULA, L. Círculo de Bakhtin: uma Análise Dialógica de Discurso. Revista Estudos da linguagem, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 239-258, jan./jun. 2013. Acesso em: Março de 2014. Disponível em: http://www.relin.letras.ufmg.br/revista/upload/2118-DEPAULA.pdf


FORMAÇÃO DO LEITOR E ENSINO DE LITERATURA

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: FLEL14-23
Carga Horária:45
Creditos:3

Ementa:
Reflexões sobre o ensino de literatura. O texto literário na perspectiva da formação do leitor. Aspectos teóricos e práticos para o ensino do texto literário na escola.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

CANDIDO. A literatura e a formação do homem. In: Ciência e Cultura, 24(9), 1972, p.803-9.

_________. Vários escritos. 3. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1995. COMPANGNON. A. O demônio da teoria: literatura e senso comum. São Paulo: Editora UFMG, 2001.

CASER, Maria Mirtis, SOUZA, Santinho Ferreira de (orgs.). Por que é importante ler literatura. Vitória : EDUFES, 2015.

CRESWELL, J. W.; CLARK, V. L. P. Pesquisa de métodos mistos. São Paulo: Penso, 2011.

GIROTTO, C. G. G. S; SOUZA, R. Junqueira de S. Estratégias de leitura: para ensinar alunos a compreender o que leem. In: MENIN, A. Maria da C. S et al. Ler e compreender: estratégias de leitura. Campinas: Mercado de letras, 2010.

NETO, Miguel Sanches. Herdando uma biblioteca. São Paulo: Record, 2004.

OLIVEIRA, NETO, Pedro Fernandes. Sobre literatura e ensino, considerações à procura de um sentido. Anais do VII SMELP: Pau dos Ferros: UERN, 2010.

SAMPAIO, Maria Lúcia Pessoa; PEREIRA, Miria Helen; TORRES, Maria Gorete. Ler é encantar-se, configurar-se e transformar-se numa ‘terceira história’: a autoformação MESES DATAS TOTAL Maio 12 13 19 20 21 45h/a Horário 8h às 12h10min 13h às 17h10min 8h às 12h (Plano de Intervenção - 5h, dia 13/05/16) no Programa Biblioteca Ambulante e Literatura nas Escolas – BALE. Leitura em Revista. Disponível em < http://iiler.puc-rio.br/wp-content/uploads/2016/01/LER8ed.pdf>.

XYPAS, Constantin; SAMPAIO, Maria Lúcia Pessoa. Sucesso escolar inesperado com alunos com história de fracasso. In: CARVALHO, Aluska Silva et al. Politicas públicas de formação e avalição de leitores, ensino de literatura e leituras. V ENLIJE. Campina Grande: EDUFCG, 2015.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

GINZBURG. C. O queijo e os vermes. Tradução Mara Betânia; tradução dos poemas José Paulo Paes; São Paulo Companhia das letras, 2006.

LEITE, L. C. M. A invasão da catedral: literatura e ensino em debate. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

PERRONE-MOISÉS, L. Altas literaturas: escolha e valor na obra crítica de escritores modernos. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

MICHELETTI, G. Leitura e construção do real: o lugar da poesia e da ficção. São Paulo: Cortez, 2000.

PAES, J. P. Por uma literatura brasileira de entretenimento (ou: o mordomo não é o único culpado). In: _____. A aventura literária: ensaios sobre ficção e ficções. São Paulo: Cia. Das Letras, 1990.

PAIVA. A. MARTINS, A. PAULINO, G. VERSIANI, Z. (org.). Democratizando a leitura: pesquisas e práticas. Belo Horizonte: Ceale/Autêntica, 2004.

______. Leituras literárias: discursos transitivos. Belo Horizonte: Ceale/Autêntica, 2004. SILVA, I. M. A literatura no ensino médio: quais os desafios do professor? In: Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola editorial, 2006.

______. Literatura em sala de aula: da teoria literária à prática escolar. Recife: Programas de Pós-Graduação da UFPE, 2005.

TODOROV, T. Introdução à literatura fantástica. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

ZILBERMAN, R. A leitura e o ensino da literatura. São Paulo: Contexto, 1988.


LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUAS

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: LAEL14-24
Carga Horária:45
Creditos:3

Ementa:
Estudo dos fundamentos da Linguística Aplicada. Concepção e objeto de estudo para o ensino de línguas. Metodologia de pesquisa em LA e Ensino de Línguas.

Bibliografia:

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

KLEIMAN, A. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas; Pontes, 1995.

LEFFA, Vilson José; PEREIRA, A. E. (Orgs.). Ensino de leitura e produção textual: alternativas de renovação. Pelotas: Educat, 1999. p. 13-37.

LEFFA, V. J. Aspectos da leitura: uma perspectiva psicolinguística. Porto Alegre: SagraLuzzatto, 1996.

MARCUSCHI, L. Da fala para escrita – processos de retextualização. São Paulo, 2001.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Tradução de Cláudia Schilling. 6. ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas: Pontes, 1992.

______. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas; Pontes, 1995.

______. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, S.P.: Mercado de Letras, 1995.

KLEIMAN, Angela B. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo, Santa Cruz do Sul, RS, v. 32, n. 53, p. 1-25, 2007. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/viewFile/242/196.

LEFFA, Vilson José. Perspectivas no estudo da leitura: texto, leitor e interação social. In: ______; PEREIRA, A. E. (Orgs.). Ensino de leitura e produção textual: alternativas de renovação. Pelotas: Educat, 1999. p. 13-37.


SEMINÁRIO TEMÁTICO

Nível:Mestrado Acadêmico
Obrigatória:Não
Código: STEM14-25
Carga Horária:15
Creditos:1

Ementa:
Estudo de temas específicos relacionados a pesquisas em desenvolvimento.

Bibliografia:
A bibliografia será selecionada em conformidade com as pesquisas em desenvolvimento.


Atualizado por: Francisco Renato da Silva Santos em 22/05/2017 (Setor para Contato: C.A. P.FERROS - Diretoria do Campus Avançado de Pau dos Ferros )